sábado, 2 de dezembro de 2017

m.a.r.

depois dos faróis apagados
é que as estrelas são úteis
e a navegação tolera a vaga
que já não esconde o horizonte

que importa o horizonte
no mar quando não há terra.

quarta-feira, 29 de novembro de 2017

sem título

em quantas paredes
de quantas casas
pintaste o teu nome com o sangue de quem lá mora
em quantas muralhas
abriste a fenda da derrota
quantos milhares de gotas de chuva
morreram às tuas mãos
por teres a garganta seca
por ires por essa noite afora
na treva unida e límpida
de archote aceso ao vento
ofegante e ligeiro com os pés descalços
pelo ladrilho molhado
como quem grita ao mundo
que está aqui.

domingo, 26 de novembro de 2017

casa

regresso a casa pela porta dos fundos
para não dar pela chegada
que é como quem acaba por não dar pela saída
nem os cães ladram nem a caravana passa
e as labaredas do sossego descem pelas paredes
como um aconchego
que banalidade essa a da casa
do lar
onde miam todos os gatos que importam no mundo
e encaixam as almas nos corpos
para por fim meditarem as virtudes e os pecados de mãos dadas
caminhando pelo álamo da consciência
e seguirem sem deslizar para as bermas
em que rastejam os animais que vivem de solidão.



sábado, 25 de novembro de 2017

sem título

abre o guia completo para a solidão 
na página sobre multidão
se puderes, sê um pássaro
e voa sobre todos os animais 
mas vê uma floresta. 

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

cifra

quero que morras depois de mim
sabendo o que se lerá no teu epitáfio
depois de beber-te do crânio nu o sangue vivo.

sem título

a flor efémera
sobre o solo
da memória persistente.

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

a luz é um lugar sombrio

até passar a ombreira
das portas que ninguém quer abrir
                                                       principalmente eu
nunca pensei que o escuro tivesse um som tão duro
tão rombo
como terra se abatesse sobre o corpo
na ponta de uma pá
segura nas minhas próprias mãos

sempre necrófago devorei corações mortos
agora em recuperação
habituo-me a custo
a corações ressuscitados.

a luz habita a voz da escuridão

e vice-versa.