quarta-feira, 20 de fevereiro de 2019

a escola

toda a vida andei numa escola
sem aulas práticas nem valiam a pena as teóricas
e os amigos
ah! os amigos que são de todas as idades
e que ensinam e aprendem como os melhores professores 
para eles inventámos um nome 
camarada
nome de quem partilha a arma e a munição
o sangue e o coração
a boca aberta num grito ou fechada se for o caso 
de ser o silêncio a salvação
pode dar-se a situação
se fores preso, camarada
que isto de democracia é bonito
mas nunca é certo nas mãos da burguesia
podem estalar no ar foguetes 
e celebrar-se até em galas e sessões solenes
a pompa da circunstância do momento 
que isso, aprendi, não faz da miséria abundância
senão em novela venezuelana
em que o sonho de silicone 
surge no sono dos que vêem televisão 
toda a vida fiz essa licenciatura 
em direitos humanos de verdade sem prémios à mistura 
nem nobeis nem sakharovs 
que é como quem diz areia pós olhos 
e os camaradas sempre atentos 
as camaradas sempre em guarda
na linha da frente de rosto levantado 
ameaçados e com medo de perder a vida
sabendo que se não forem camaradas
a já perderam
fazem a escola sem recreio 
sem receio 
opção revolucionária
de fazer sobre os escombros do que aprenderam 
aquilo com que sonharam
não, não é por dentro que se muda 
caso contrário, estamos fora.

domingo, 10 de fevereiro de 2019

uma rosa

esperei a queda de água de mil clepsidras
pelo teu cheiro
mantive-me à porta entreaberta dos planetas
sem saber das luas cheias
ou das florestas impossíveis
que do horizonte lançavam o azimute do futuro
para que os desnorteados seguissem seu rumo
esperei meia-vida do isótopo mais estável
pela cratera no meio do peito cheia de flores
e pelas pequenas galáxias espalhadas
um pouco por todos os lençóis
até que essa enchente derramasse sobre todas as peles
o toque de uma mão que não larga
que não desiste
que atravessa o vazio inteiro
do que já não nos separa.

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2019

sem título

quero passar o próximo fim do mundo  no jardim
com as artérias de um a pulsar no corpo do outro
por dentro
e acordar no dia seguinte e não ser de um sonho.

quinta-feira, 10 de janeiro de 2019

tempo mau para lirismos

já tantas vezes
é quase certo
te disseram
onde não há verdade
não há poesia
por isso nenhuma onda do mar é poesia
acaso não sejam verdadeiros tanto mar
como onda
nenhum amor em verso que não exista

por isso a revolução poética
é a menos romântica
é a que se faz.

segunda-feira, 19 de novembro de 2018

o caminho

talvez tenhamos escolhido o mais acidentado dos trilhos
porque os suaves não tinham sequer início
talvez a lonjura do possível
voe nas asas desse pássaro quase negro
no ardor sob o peito que prende ao diafragma o pulmão
e faz temer o colapso do amor-abismo
de onde todos queremos precipitar-nos
em salto de fé
o mapa não está revelado
mas sabemos que há demasiadas fortificações pelo caminho
assaltá-las-emos de exércitos unidos
derrubando os monarcas de todo o continente um-por-um
e espalhando cactos que, mesmo sem água séculos,
florescerão em jardim.


quinta-feira, 15 de novembro de 2018

sem título

todos os astros do universo
e mais um 
no meu céu nocturno
e uma via láctea inteira ainda por fazer
no caminho.

segunda-feira, 12 de novembro de 2018

epitáfio para um Comunista

nenhuma liturgia é revolucionária
premissas válidas são as que podemos testar
tudo o resto é idealismo e escuridão.