sábado, 22 de julho de 2017

sem título

quando ouço as conversas
já quase ninguém lembra o teu nome
e eu penso

isso não faz sentido

porque como pode alguém esquecer
o nome da única flor que sobrevive ao inverno

nem a extinção da humanidade
nem uma nuvem que envolva o globo
ou a acidificação dos oceanos todos
pode tornar sequer compreensível
que se suma o teu nome de todas as palavras.

terça-feira, 18 de julho de 2017

relógio

todos os dias uma lua cheia
todos os dias cento e doze marés
vinte e oito pores-do-sol
cinquenta e seis voltas do ponteiro das horas

dois milhões de batimentos cardíacos
e todas as lagartas do mundo a sair do casulo de asas abertas porque as células imaginais ganharam todas as batalhas travadas.

segunda-feira, 17 de julho de 2017

sem título

este é o tempo dos milhares de naufrágios
e das dezenas de salvamentos.

praia convento

a flat earth society ignora os princípios da física.

por mais voltas que dê, vou dar sempre a ti.

quarta-feira, 12 de julho de 2017

gente-nada

aguarda que o pó e a pele
abandonem o tempo
para não restar
no que comes,
vestígio das mãos sujas
e quando não chega o tempo
a escola ensina quão moderno
é o mundo da internet
e as televisões apagam a luz
para adormeceres acordado

e das crianças-nada
escravos-nada
homens-nada
mulheres-nada

já ninguém se pergunta
a não ser essa galáxia de gente-nada
que é a maioria.

domingo, 9 de julho de 2017

headline

desmontada rede de crime organizado
dezenas de líderes políticos e religiosos
presentes a tribunal por falsificação de esperanças.

terça-feira, 4 de julho de 2017

inconquistável

envia toda a armada
naus fragatas e galés
todos os homens e munições
usa toda a força
e a coragem de derramar nas minhas praias todo o teu sangue

se queres conquistar-me a américa indígena.